23.4.17

IMORTAL TCHEKHOV




Resultado de imagem para tchekhov

In: CONTOS ESCOLHIDOS, Civilização Editora, Tradução de Mário Braga, 2013. 

« (...) lia-se na cara de Neshtchapov que isso não lhe interessava nada e que há muito, muito tempo mesmo, não lia nem procurava cultivar-se. Sério, inexpressivo, como um retrato mal pintado, (...)» (Pág. 38)

Retenho: «Sério, inexpressivo, como um retrato mal pintado.»


5.4.17

AS TRASEIRAS DA VELHA CASA



Já em tempos aqui publiquei estas imagens. A elas regresso por serem oportunas, na sequência do post anterior.


Este era o pátio nas traseiras da casa. Sítio de passagem e de brincadeira, de trabalho e de convívio com os vizinhos do rés do chão. Lá em cima, a varanda era o lugar encantado da casa. Encostado à balaustrada, sentia-me comandante na amurada de um navio. Nos intervalos da navegação, andava de triciclo.
Os vasos de flores foram uma composição da minha avó Leonor que, assim, achava que a foto ficava mais bonita. Meu pai, de Kodak na mão, não se opôs. A avó Leonor era um bocado irascível.

4.4.17

25.3.17

CONFRARIA IBÉRICA DO TEJO




Há um ano realizou-se o 2º Forum Ibérico do Tejo que o texto relata com pormenores.



CONFRARIA IBÉRICA DO TEJO


Em 19 e 20 de Março de 2016, cerca de 200 pessoas reuniram-se em Vila Franca de Xira para participar no 2º Fórum Ibérico do Tejo. Estiveram presentes cidadãos portugueses e espanhóis que participaram activamente nos trabalhos. Analisaram-se temas como a gestão insustentável dos recursos da água, o mito da rentabilidade dos transvases, o património histórico-cultural do Tejo e a sua conservação e valorização, a reabilitação de linhas de água da bacia do Tejo, a astronomia no Tejo, a gestão dos recursos hídricos do Tejo, a utilização da água na bacia do Segura, as afinidades históricas entre Castilha – La Mancha e o Ribatejo, a valorização e a conservação do Tejo, e o legado cultural vivo que este rio representa. Deram corpo e alma a estes temas um conjunto de especialistas como Angél Monterrúbio Perez, António Carmona Rodrigues, Beatriz Larraz Iribas, Carlos A. Cupeto, Enrique San Martín Gonzaléz, José Bastos Saldanha, Julia Martinez Fernandéz, Máximo Ferreira, Miguel Mendez-Cabeza e Pedro Teiga. Estiveram presentes 26 autarquias, incluindo a anfitriã Vila Franca de Xira, das quais 15 Câmaras Municipais – desde Mação até Alcochete – que se fizeram representar através de stands de promoção local. De Espanha estiveram os Ayuntamientos de Talavera de la Reina e de Toledo. Esteve igualmente uma representação de Aranjuez. No grupo de conferencistas e de pessoas presentes estiveram representantes de cinco universidades – três portuguesas e duas espanholas – assim como de dois Institutos Universitários e um Instituto Politécnico (de Setúbal). Ao longo dos dois dias, o 2º Fórum Ibérico do Tejo foi o centro de um dos mais urgentes debates do nosso tempo e aí foi decidido, em sessão própria, criar a Confraria Ibérica do Tejo (CIT), tendo para o efeito sido nomeada uma Comissão Instaladora eleita pelos participantes. A dimensão transfronteiriça do Tejo implica uma visão ampla e multidisciplinar que esteve reflectida nos temas da iniciativa - Economia, Cultura e Meio Ambiente - e esses passarão a constituir o objeto social e o foco de acção da CIT. Pode sintetizar-se o espírito da futura associação como uma plataforma não reivindicativa, criada para aproximar pessoas e entidades ao longo do Tejo ibérico, para confluírem em pontos de entendimento válidos para o desenvolvimento harmonioso e sustentável das comunidades ribeirinhas. Com este espírito desenvolver-se-á uma actividade ao longo das comunidades situadas na bacia hidrográfica do rio que propicie a partilha de valores, sentimentos e interesses das populações e dos agentes políticos, económicos, culturais e ambientais, porque o Tejo precisa de recuperar a cumplicidade e a ligação entre os seus povos, através de projectos e de acções que devolvam a identidade ao rio e captem os investimentos que segurem as populações às suas origens. Além disso, a CIT procurará promover ações conjuntas com entidades que comunguem os mesmos princípios, ainda que localizadas noutras regiões da Península. A criação desta associação tem data marcada para 25 de Março de 2017, às 15 horas, no Museu do Neo Realismo, em Vila Franca de Xira. A Comissão Instaladora da Confraria Ibérica do Tejo.
(Texto in: http://www.cm-vfxira.pt/uploads/writer_file/document/15377/O_esp_rito_da_Confraria_Ib_rica_do_Tejo_e_a_sua_cria__o.pdf )

Hoje, 25 de Março de 2017, no Museu do Neo Realismo em Vila Franca de Xira, será a formalização desta nova associação.
Lá estarei. Nascido num concelho ribeirinho - Alpiarça - o Tejo foi a minha praia na juventude. Lá aprendi a nadar, em tardes de convívio sob o quentíssimo sol de Verão do Ribatejo.
Tejo - o grande rio da Península - necessita da participação dos cidadãos na sua defesa e preservação. Veja-se a gravíssima situação verificada há cerca de um mês:

http://elegante.pt/2017/02/09/poluicao-gravissima-do-rio-tejo-filmada-por-drones/











Lembrei-me de um belo livro que recebi há uns anos como prenda de anos. Com ele recordei as paisagens e os lugares habitados que rodeiam o grande rio, nos seus 1 070 km de percurso deste a Serra de Albarracim até ao Atlântico





Inevitavelmente, vem à memória o poema de Alberto Caeiro:

Pelo Tejo Vai-se para o Mundo

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, 
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia 
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia. 
O Tejo tem grandes navios 
E navega nele ainda, 
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está, 
A memória das naus. 
O Tejo desce de Espanha 
E o Tejo entra no mar em Portugal. 
Toda a gente sabe isso. 
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia 
E para onde ele vai 
E donde ele vem. 
E por isso porque pertence a menos gente, 
É mais livre e maior o rio da minha aldeia. 
Pelo Tejo vai-se para o Mundo. 
Para além do Tejo há a América 
E a fortuna daqueles que a encontram. 
Ninguém nunca pensou no que há para além 
Do rio da minha aldeia. 
O rio da minha aldeia não faz pensar em nada. 
Quem está ao pé dele está só ao pé dele. 

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XX" 
Heterónimo de Fernando Pessoa
.....................................................................
Ou, de António Gedeão

Poema da Memória

Havia no meu tempo um rio chamado Tejo 
que se estendia ao Sol na linha do horizonte. 
Ia de ponta a ponta, e aos seus olhos parecia 
exactamente um espelho 
porque, do que sabia, 
só um espelho com isso se parecia. 

De joelhos no banco, o busto inteiriçado, 
só tinha olhos para o rio distante, 
os olhos do animal embalsamado 
mas vivo 
na vítrea fixidez dos olhos penetrantes. 
Diria o rio que havia no seu tempo 
um recorte quadrado, ao longe, na linha do horizonte, 
onde dois grandes olhos, 
grandes e ávidos, fixos e pasmados, 
o fitavam sem tréguas nem cansaço. 
Eram dois olhos grandes, 
olhos de bicho atento 
que espera apenas por amor de esperar. 

E por que não galgar sobre os telhados, 
os telhados vermelhos 
das casas baixas com varandas verdes 
e nas varandas verdes, sardinheiras? 
Ai se fosse o da história que voava 
com asas grandes, grandes, flutuantes, 
e poisava onde bem lhe apetecia, 
e espreitava pelos vidros das janelas 
das casas baixas com varandas verdes! 
Ai que bom seria! 
Espreitar não, que é feio, 
mas ir até ao longe e tocar nele, 
e nele ver os seus olhos repetidos, 
grandes e húmidos, vorazes e inocentes. 
Como seria bom! 

Descaem-se-me as pálpebras e, com isso, 
(tão simples isso) 
não há olhos, nem rio, nem varandas, nem nada. 

António Gedeão, in 'Poemas Póstumos' 





15.9.15

MEMÓRIAS DO TRABALHO PRODUTIVO



Um bom cartaz é meio caminho andado.
Agora só falta esperar que a realização corresponda ao que foi sonhado.

Mais pormenores:

https://www.facebook.com/patrimonio.de.torres.vedras?ref=hl

1.8.15

BARCO NO TÂMEGA



Amarante caía na sonolência, depois do feriado. O Tâmega adormecia e um homem, de pé no seu barco, esperava.  No Zé da Calçada cheirava a arroz de tamboril.
O teu olhar. O teu sorriso.
Os círculos na água não deixam que o sonho naufrague.




Não deixes que a noite nos separe. Temos um barco, navega comigo.



[ Fotos J Moedas Duarte ]

17.6.15

Rubens - Orfeu e Eurídice, Museu do Prado



A SOMBRA DE EURÍDICE

Canção divina as cousas comovia,
E de ternura as árvores choravam...
E lembrava o luar a luz do dia
E os ribeiros, extáticos, paravam.

Era Orfeu, de inspirado, que descia
Às entranhas da terra! E se afundavam
Os seus olhos na noite, muda e fria,
Onde as pálidas sombras vagueavam.

Eurídice, o seu morto e triste amor,
Ouvindo-o, tomou forma e viva cor,
Íntima luz à face lhe subiu...

Mas Orfeu, pobre amante enlouquecido,
Quis ver aquele corpo estremecido...
E, outra vez sombra, Eurídice fugiu...


Teixeira de Pascoaes










8.1.15

PELA LIBERDADE






Liberté


Sur mes cahiers d’écolier
Sur mon pupitre et les arbres
Sur le sable sur la neige
J’écris ton nom

Sur toutes les pages lues
Sur toutes les pages blanches
Pierre sang papier ou cendre
J’écris ton nom

Sur les images dorées
Sur les armes des guerriers
Sur la couronne des rois
J’écris ton nom

Sur la jungle et le désert
Sur les nids sur les genêts
Sur l’écho de mon enfance
J’écris ton nom

Sur les merveilles des nuits
Sur le pain blanc des journées
Sur les saisons fiancées
J’écris ton nom

Sur tous mes chiffons d’azur
Sur l’étang soleil moisi
Sur le lac lune vivante
J’écris ton nom

Sur les champs sur l’horizon
Sur les ailes des oiseaux
Et sur le moulin des ombres
J’écris ton nom

Sur chaque bouffée d’aurore
Sur la mer sur les bateaux
Sur la montagne démente
J’écris ton nom

Sur la mousse des nuages
Sur les sueurs de l’orage
Sur la pluie épaisse et fade
J’écris ton nom

Sur les formes scintillantes
Sur les cloches des couleurs
Sur la vérité physique
J’écris ton nom

Sur les sentiers éveillés
Sur les routes déployées
Sur les places qui débordent
J’écris ton nom

Sur la lampe qui s’allume
Sur la lampe qui s’éteint
Sur mes maisons réunies
J’écris ton nom

Sur le fruit coupé en deux
Du miroir et de ma chambre
Sur mon lit coquille vide
J’écris ton nom

Sur mon chien gourmand et tendre
Sur ses oreilles dressées
Sur sa patte maladroite
J’écris ton nom

Sur le tremplin de ma porte
Sur les objets familiers
Sur le flot du feu béni
J’écris ton nom

Sur toute chair accordée
Sur le front de mes amis
Sur chaque main qui se tend
J’écris ton nom

Sur la vitre des surprises
Sur les lèvres attentives
Bien au-dessus du silence
J’écris ton nom

Sur mes refuges détruits
Sur mes phares écroulés
Sur les murs de mon ennui
J’écris ton nom

Sur l’absence sans désir
Sur la solitude nue
Sur les marches de la mort
J’écris ton nom

Sur la santé revenue
Sur le risque disparu
Sur l’espoir sans souvenir
J’écris ton nom

Et par le pouvoir d’un mot
Je recommence ma vie
Je suis né pour te connaître
Pour te nommer


Liberté.
Paul Eluard, Au rendez-vous allemand, 1945, Les Editions de Minuit



3.1.15

DOIS POEMAS DE FERNANDO FABIÃO



Conheço lugares 
que não vêm nos mapas
lameiros acesos pelo labor solar
dos camponeses.
Casas, arquitectura de infância
fio de prumo, adobes e sombra
de estrelas.

Conheço lugares
macerados pela melancolia
fragas expostas à linguagem feroz
do abandono
haste de cereal, alvíssima.

Territórios de xisto, manchas de musgo
pólen anunciando a doçura furtiva do mel.

Conheço lugares
escritos pelo pensamento límpido
de Deus.




O ano de 2014 chegava ao fim. Mais uma vez Fernando Fabião vem trazer-me o aconchego das palavras.
Leio devagar o teu poema. Leio muito devagar.
Os teus lugares estão para além do tempo
Como agradecer-te, meu querido poeta?



Tenho cabelos brancos
    cor de prata
    cor de pranto
    cor de cal

Atravesso os dias devagar
levo nos bolsos recados
uma velha canção
um pião que gira em redor do azul

Tenho cabelos brancos
    uma gramática precária
    o olhar pousado no sono do mundo

E não sei nada.



27.12.14

METAMORFOSES DO CHOUPAL

Esperamos que fique bonito depois destas obras radicais.
Mas receio que no final surja um espaço muito clean style, ao gosto de tantos que proliferam por esse país fora: áreas rapadas, canteiros enfezados, matacões de pedra onde ninguém se senta, muros de betão. Oxalá me engane.
Os muros de betão já existem, em contraste com os que lá estavam, muito mais airosos e leves, Compare-se o de cima com o de baixo:




Naturalmente não pudemos entrar no espaço da obra. As fotos foram tiradas nas ruas adjacentes. Já se vê o tabuleiro da ponte pedonal, a grande novidade que - esperamos! - aproxime os torrienses daquele espaço até agora tão desprezado.








A ponte pedonal sobre a estrada, entre a Ponte da Mentira e a Ponte de S. Miguel:





A velha Ermida da Srª do Amial aguarda os arranjos do espaço envolvente:






23.12.14

A PROPÓSITO DE UMA FOTO ANTIGA

Um dia fiz de barbeiro do séc. XIX...




E ao fim do dia
a matéria de que se faz a minha vida
de novo abandonada
de novo de novo abandonada
pergunta-me silenciosa
se ao apagar da luz
a vida terá princípio.

Pedro Támen, O Livro do Sapateiro
Publicações Dom Quixote, Lisboa, 2010




16.12.14

IMAGENS DO MEU OLHAR - PASSEAR NO PORTO NUM DIA DESTES







Fosses de carne e o teu sorriso não seria eterno 
[digo eu]

«Que ficará de mim ao se apagar
o tímido clarão que me habitou? 
(...)
Que ficará de mim? Mas eis rumo às pedras,
clamando sempre que da estreita viagem
não deixo monumento»
[Diz A. M. Pires Cabral - Antes que o rio seque]

(Fotos: J. Moedas Duarte)

2.11.14

QUEM É ESTE?


http://aorodardotempo.blogspot.pt/p/outros-tempos.html






PÉROLA - Intervenções artísticas em espaços devolutos

Mais uma interessante iniciativa da plataforma cultural ESTUFA.
Andei por lá e participei na tertúlia sobre intervenções de reabilitação urbana que teve o seu ponto alto com a intervenção do Arq. José Adrião.
O cerne deste evento foi o facto de ter sido feito numa loja devoluta e num prédio em ruínas, em pleno Centro Histórico de Torres Vedras.
Fiz algumas fotos.