26.2.08

DISCUSSÃO "DESCENTRADA"...

Lá estive ontem, esforçadamente, a ver o programa Prós e Contras, na RTP, sobre questões do Ensino. E achei a discussão "descentrada" do essencial. Aquilo parecia um tribunal em que a ministra era a ré e a sala a acusadora. Resultado: a ministra passou o tempo a defender-se e a sala a acusá-la. Como se o advogado de acusação se esquecesse de apresentar as provas e se limitasse a dizer que o réu era culpado. Faltou objectividade e esclarecimento.
A maioria dos professores presentes falou como se estivesse na Sala de Professores, debaixo da indignação - LEGÍTIMA! - que esta política está a provocar. Ora, penso que este devia ser um programa para esclarecer a opinião pública, que desconhece os meandros da coisa. E acho que não foi. Quem não estava dentro dos assuntos, lá continuou.
A única intervenção de que gostei foi a do Mário Nogueira: directa, concisa, a desmontar o esquema imposto às escolas. E aí a senhora ME foi de um cinismo revoltante.
Preparava-me para ver a terceira parte quando dei por mim a ouvir o senhor da Confap. Já não aguentei: quase uma da manhã e aquele ali a pregar...
Acabei de ler o blogue do Ramiro Marques e confirmei as minhas impressões. De caminho encontrei uma referência a um cartoon sobre a avaliação do desempenho e não resisto a linká-lo.
Divirtam-se AQUI .
E não se esqueçam de dar uma saltada ao Paulo Guinote, que seguiu o debate a par e passo. Concordo com a maioria dos comentários dele.Ver AQUI
Atenção: não estou nem um bocadinho ao lado da ME! E sinto uma enorme satisfação por ver que, finalmente, parece que os professores acordaram. De norte a sul do país crescem os movimentos de contestação.
Ontem isso ficou bem patente. Mas julgo que falhou o esclarecimento/informação aos leigos que estão por fora. Caso dos milhares de pais dos nossos alunos...

6 comentários:

avelaneiraflorida disse...

Meon
e circulam ingormações via Sms muito importantes.
Mas concordo que é preciso INFORMAR OBECTIVAMENTE os que estão fora do processo, para que percebam as razões do descontentamento e as avaliem também!!!

Yolar disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Kazahn disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
alcindaleal disse...

Concordo contigo...embora tenha que reconhecer que ela está mesmoa pedi-las e as pessoas já perderam a paciência...
A minha nota mais negativa vai para a apresentadora que não permitiu esclarecimentos e deu azo a atitudes como as que referes

Maria Lisboa disse...

Concordo contigo!

No "umbigo", deixei este comentário na sequência de outros comentários:

Concordo com a IC. Para nós, os professores “somaram pontos”, para o opinião pública, continuamos uns calões.

Todos sabemos que a Fátinha não ia deixar os créditos do programa por mãos alheias… e ela não está ali para perder apoios, nem para permitir que o governo seja posto em causa de maneira demasiado evidente. Afinal a RTP é um canal estatal e os puxões de orelhas seguir-se-iam rapidamente. Convém que existam programas pseudo-democráticos em que a opinião pública se reveja numa espécie de contraditório mas convém, também, que esse contraditório não ponha em causa, de forma ostensiva, as políticas do governo. E, para isso, serve a desculpa da falta de tempo e a necessidade de dar voz a todos os interlocutores, o que todos vemos que apenas se passa quando a “voz” é incómoda.

É tudo uma “espécie de…”

Sobre a prestação dos professores o que tenho a dizer é que tenho pena que confiem demasiado nas suas capacidades.

A intervenção num local público, especialmente num meio de comunicação audio, sujeita a tempos de intervenção, sujeita a interrupções, tanto pelo moderador, como pelos outros intervenientes, tem que ser sempre bem preparada. Não pode ser deixada ao acaso, à capacidade que cada um tem de discorrer sobre os temas em discussão. Não é o mesmo estar ali ou num qualquer outro espaço.
E esse foi o grande defeito da prestação dos nossos colegas. Quando se vai para um debate deste tipo, um debate em que a palavra é de ouro e cada segundo tem que ser bem aproveitado, deve-se levar “uma cábula”, bem esquematizada com a sequência dos pontos a abordar, para que se consiga passar a mensagem e não pareça que se anda perdido no meio dos diferentes assuntos.

Infelizmente, ficou quase tudo por dizer. Ficou por explicar os porquês da nossa contestação. Ficou por rebater a lógica que presidindo a toda a “reforma”, que parece uma manta de retalhos mas que efectivamente não o é, não se debruça sobre o problema chave de todo o sistema educativo – o ensino - incidindo só na instituição e nos seus agentes, o que, de forma alguma, vai resolver o problema das aprendizagens.

Foi pena!

Méon disse...

alcindaleal

Obrigado pela visita.
Claro, ela estava a pedi-las. Mas no dia seguinte, num debate aberto da SIC, à tarde, os telespectadores fartaram-se de bater nos professores. Há muita gente que continua a olhar para nós como "aqueles que têm muitos dias de férias" - e não vêem o resto.
Bj amigo


--------------------------------

maria lisboa

obrigado pelas tuas palavras com as quais concordo

Bj