30.9.07

Peço desculpa! Mas...


Sim, o post anterior foi muito básico, reconheço. Mas... que fazer? Quando a indignação sufoca, quando a vontade é mandar à ..., que fazer senão abrir as comportas?...


Felizmente há gente capaz de fazer análises serenas. Aconselho-vos a ir ao "A educação do meu umbigo". Lá encontrarão um belo texto que arruma o MSTavares com toda a elegância e saber.

Miguel Sousa Tavares fazia jeito no jardim zoológico ...


...sim, MS Tavares fazia jeito no Jardim Zoológico para a sempre urgente e importante tarefa de pentear macacos. Coisa para a qual deve ter especial vocação dada a sua capacidade para falar de tudo e ... não fazer nada!

Que eu saiba, MST não faz mais nada para além de escrever e falar. Tem opinião sobre TUDO e, tal como o outro, nunca se engana. Muitas vezes é profeta: "Eu sempre disse que... já há muito tempo que eu tinha dito que..." - e os factos vêm sempre dar-lhe razão.
Escreveu no jornal do Balsemão, Sábado passado: "Saiu o regulamento para a classificação dos professores com vista à sua subida de carreira."

Mais uma vez opinou sobre os professores e estendeu-se ao comprido. Porque não sabe do que fala e tem um preconceito feroz contra eles.
MST mente e sabe que mente. Ter-lhe-ia sido fácil consultar o site do Min. Educação e os das principais forças sindicais que o teriam informado de que o Decreto regulamentar ainda está em fase de consulta pública e em negociação. Mas ele tem pressa em mostrar serviço. Não me admirava nada que ainda lhe "pingasse" um lugarzito de conselheiro para a educação num departamento qualquer...

Este é o jornalista que enche a boca de "ética profissional" e dá lições a toda a gente sobre tudo e mais alguma coisa.

Não há pachorra!!...


29.9.07

28.9.07

António Lobo Antunes


"Estou aqui diante de vós, nu e desfigurado" - título da entrevista a A. Lobo Antunes, na VISÃO desta semana.- passe a publicidade, à borla.
Vale a pena ler.
Passei - e passo ainda - por fases diversas no meu relacionamento com ALA.
Já o achei insuportavelmente arrogante. Depois percebi que aquilo é uma capa para a timidez e alguma falta de jeito social.
Achei - e às vezes ainda acho... - que ele escreve compulsivamente, como alguns loucos que não param de andar à volta de um canteiro. Aquilo parece sempre o mesmo livro.
Mas quando mergulhei nalguns livros dele, senti-me a nadar num pego, ou sozinho num barquito no alto mar...horizontes infinitos.
E há as crónicas! Absolutamente inultrapassáveis no humanismo, no desamparo de ser-se "apenas" homem.
ALA teve um cancro. Fez operação e ficou curado, aparentemente. Mas nada daquela conversa parva do "venci o cancro!!!" Porque sabe que sofre de um mal incurável: estar vivo.
Um dia destes abalanço-me a outro "tijolo" dele, talvez o que está para sair: O Meu Nome É Legião".

26.9.07

PARA NOSSO ESCLARECIMENTO

Muitos de nós andamos preocupados com o modo como o Min.Educação quer implantar a avaliação do desempenho dos professores. Vale a pena consultar este blogue:


Há análise séria e conhecedora.

Claro, os documentos podem encontrar-se nos sítios dos sindicadtos. Escolhi estes:





É preciso ler, discutir e opor uma barreira à arbitrariedade. Ninguém está contra a avaliação, estamos contra este modo de fazer as coisas: à pressa, sem formação, sem períodos de transição, sem respeito pelos mais directos interessados.
ESTA GENTE DO M.E. NÃO TEM SENSIBILIDADE HUMANA, NÃO TEM FORMAÇÃO HUMANISTA!
PORQUE É QUE ESTAMOS TÃO CALADOS, TÃO AMORFOS?


(Desenho in http://antero.wordpress.com , com a devida vénia ao Antero.)

25.9.07

SENTIDO OU CONDIÇÃO?



Não tenho o direito de sentir angústia. A vida pede apenas que saiba estar vivo, com a dignidade que dá a todas as coisas que vivem.

Só a maldade humana desfeia o mundo, eu sei. Talvez a nossa consciência seja um erro da natureza. Tudo seria mais simples se nos cumpríssemos sem metafísica nem religiões. Com um sentido simples e claro. Como diz António Osório:


Porque há um sentido
no lírio, incensar-se;
e no choupo, erguer-se;
e na urze arboroscente,
ampliar-se;
e no cobre, primeira cura,
que dou à vinha,
procriar-se.


Mas ao homem foram dados outros sentidos. Melhores? A angústia vem da dúvida. Porque para o homem não há sentido, há CONDIÇÃO.


E outro, pressago,
sentido há na memória,
explodir-se.
E outro, imensurável,
no amor, entregar-se.
E outro, definitivo,
na morte, render-se.

24.9.07

MONHÉS!!


Sem ofensa para os indianos imigrados, que fazem o que podem pela vida, este Governo põe-se ao nível dos feirantes que "vendem" gato por lebre. "Dão" esmolas e esperam ir para o céu!!

Mas há quem conteste de forma certeira, como se pode ler aqui.



23.9.07

TEMPO FUTURO...




Quando morrer quero essas mãos nos meus olhos:
Quero a luz e o trigo das tuas mãos amadas
Passando uma vez mais em mim sua frescura:
Sentir a suavidade que mudou o meu destino.

Quero que vivas enquanto eu, dormindo, te espero,
quero que os teus ouvidos fiquem ouvindo o vento,
que cheires o aroma do mar que amamos ambos
e fiques pisando a areia que pisamos.

Quero que tudo o que eu amo fique vivo,
e a ti amei e cantei sobre todas as coisas,
por isso fica tu florescendo, florida,

para que alcances tudo o que este amor te ordena,
para que esta sombra corra o teu cabelo,
para que assim conheçam a razão do meu canto.
Pablo Neruda

VERGONHA !!!

Nunca pensei, com os anos de serviço que já tenho, que viria a defrontar-me com a VERGONHA de ter de avaliar os meus colegas professores. Para mais com um modelo de avaliação como o que o ME propõe.

Veja-se :http://www.min-edu.pt/np3content/?newsId=314&fileName=aval_desempenho.pdf

Isto está à discussão nos sindicatos. Como não sou sindicalizado - onde posso dar a minha opinião? Quem pode - por caridade! - esclarecer-me?

Entretanto alguém me sugeriu um tratamento de choque para o ME. Aqui fica, para que conste - e como forma de mostrar o meu repúdio por métodos terroristas semelhantes aos usados pelos visados...

Sejamos amigos uns dos outros!

22.9.07

SEDE


A boca,

onde o fogo
de um verão
muito antigo
cintila,

a boca espera

que pode uma boca
esperar
senão outra boca?

espera o ardor
do vento
para ser ave,

e cantar.

Eugénio de Andrade

21.9.07

TERNURA... DESPEDIDA

Toda a ternura e todo o carinho por alguém que ajudei a crescer e hoje cultiva duas flores no seu jardim de mãe.
"Não há longe nem distância" para quem se quer tanto.
Ternura e carinho também para a dádiva desta imagem.

20.9.07

Era uma data, em Setembro



O homem está quieto, no fim de Setembro.
Os seus passos de neblina vão direitos ao amor.
Rodeiam-no. Tem febre, os olhos estão vagos.
É fim de tarde, retira-se.
Pode tocar uma guitarra inteira ou trabalhar a luz.

No dia anterior à aves
os animais voltavam a cabeça - era uma data, ruminavam.
Eu depositara no rio os peixes
com lentidão.

Aguardava ainda o princípio das estrelas.
O lugar da solidão sobre as frases interiores.
Mas os peixes inquietos absorviam o cor-de-rosa,
já todo o poente se inclinava.

Na árvore as guitarras revolviam-se
com harpejos imprescindíveis.
Toda a música resultava do calor suficiente.

Toca-se o amor com a chegada da pureza.

António Neves, A Construção do Rosto

19.9.07

AINDA AQUILINO


Vem a propósito recordar LUGAR ONDE - página lietrária do semanário BADALADAS de Torres Vedras - publicada em Novembro de 2006:


AQUILINO RIBEIRO NO PANTEÃO NACIONAL

Quem foi este homem? Merece tamanha honra?

Os restos mortais do escritor Aquilino Ribeiro devem ser trasladados para o Panteão nacional – propôs, há duas semanas, o Presidente da Assembleia da República, Jaime Gama.

Para as novas gerações talvez este nome já diga pouco. No entanto ele é um dos grandes escritores portugueses. Depois de Camilo C. Branco e de Eça de Queiroz, não houve mais nenhum que tão bem soubesse dominar a Língua Portuguesa, pela capacidade plástica e expressiva, pela riqueza vocabular, pela variedade de construção, pelo recurso à saborosíssima oralidade popular que ele bebeu desde a infância na Beira Alta onde nasceu. A sua pena laboriosíssima – 50 anos de vida literária, com romances, novelas, contos, memórias, traduções e muito mais – fixou em páginas inesquecíveis todos os tipos humanos do povo, os pobres e esquecidos do progresso, que se afirmam pela tenacidade e pela manha, habituados às condições duríssimas da vida serrana ou da sorte adversa nas mais diversas paragens.
Aquilino Ribeiro foi acusado de “escritor difícil” porque usava muitos termos caídos em desuso no falar urbano – e talvez se encontre aqui a causa de algum esquecimento a que foi votado. Aos acusadores lembrava que, a esses termos regionalistas, os ouvia do povo nas aldeias. E que, perante uma palavra desconhecida, o bom leitor tira pelo sentido e passa adiante.
Dele ficou a imagem do escritor que não se refugiou na secretária. Lutou contra a monarquia e contra a ditadura do Estado Novo, correu riscos, foi preso, exilou-se. Cinco anos antes de morrer ainda publicou “Quando os Lobos Uivam”, romance em que denunciou a florestação forçada dos baldios, até aí secular fonte de lenha e pastorícia dos povos serranos. O governo de Salazar perseguiu-o e ele respondeu, intrépido, com um opúsculo exemplar de desassombro, intitulado “Quando os Lobos julgam, a Justiça uiva”. Só não foi a julgamento devido ao levantamento nacional e internacional que se organizou em sua defesa.
Parece-nos, pois, que a iniciativa de Jaime Gama, propondo a inumação dos restos mortais de Aquilino Ribeiro no Panteão Nacional de Santa Engrácia, é justíssima e só pecará por tardia.
JMD


Aquilino Ribeiro: Biografia

Aquilino Ribeiro nasce a 13 de Setembro de 1885 em Carregal, concelho de Sernancelhe. Aos dez anos, vai residir com os pais para Soutosa, onde faz a instrução primária. Transita depois para Lamego e Viseu, onde chega a frequentar o seminário, abandonando-o por falta de vocação. Em 1906 muda-se para Lisboa e, em pleno período de agitação republicana, começa a escrever os primeiros artigos em jornais. Em 1907, devido à explosão de uma bomba, é preso. Mas consegue evadir-se e, entre 1908 e 1914, divide a sua residência entre Paris e Berlim. Em 1914, com a eclosão da I Grande Guerra, volta a Portugal. Em 1918 publica o primeiro romance, "A Vida Sinuosa". A convite de Raul Proença, entra em 1919 para a Biblioteca Nacional. A partir desse ano, escreve incessantemente: "Terras do Demo" (1919), "O Romance da Raposa" (1924), "Andam Faunos Pelos Bosques" (1926), "A Batalha Sem Fim" (1931) e muitos outros títulos. Envolvido em revoltas contra a ditadura militar, no Porto e em Viseu, exila-se por duas vezes em Paris, onde casa pela segunda vez (a primeira mulher falecera). A partir de 1935 o seu labor literário torna-se mais fecundo: "Volfrâmio" (1944), "O Arcanjo Negro" (1947), "O Malhadinhas" (1949), "A Casa Grande de Romarigães" (1957), "Quando os Lobos Uivam" (1958), este último apreendido pela censura e pretexto para um processo em tribunal. Entretanto, viaja: Brasil, Londres, Paris. Em 1960 o seu nome foi proposto para o Prémio Nobel da Literatura. Três anos depois, durante as comemorações do 50° aniversário do seu primeiro livro – promovidas pela Sociedade Portuguesa de Escritores, então presidida por Ferreira de Castro – adoece inesperadamente. Morre a 7 de Maio de 1963, no Hospital da CUF, com 78 anos.


A História da Casa Grande

Aquilino Ribeiro, no prefácio que escreveu para o romance "A Casa Grande de Romarigães" – uma das suas obras mais lidas, inspirada num velho solar do alto Minho que ainda hoje pode ser visitado –, explica em que é que se baseou:

"Quando se procedeu ao restauro da Casa Grande, que foi solar dos Meneses e Montenegros, houve que demolir paredes de côvado e meio de bitola em que há um século lavrava a ruína, ocasionando-lhes fendas por onde entravam os andorinhões de asas abertas e desníveis com tal bojo que a derrocada parecia por horas. Num armário, não maior que o nicho dum santo, embutido na ombreira da janela, que a portada, em geral aberta, dissimulava atrás de si, encontrou-se uma volumosa rima de papéis velhos. (…) Não posso ver um farrapo impresso que não se me sobressalte a curiosidade. Com avidez fui tirando para fora cartapácios sem frontispício e sem índice, entre os quais um Mestre de Vida que ostentava uma dactiloscopia densa e salivosa, com os cantos das folhas tenazmente arrebitados, avisos e recibos da contribuição predial, uma resma de bulas da Santa Cruzada de pinto e de doze vinténs, receitas de botica, algumas traindo pelo sebo e a usura terem sido aviadas amiúde, folhinhas de anos sucessivos, e uns cadernos de papel almaço em que me palpitou matéria de bisbilhotice. Um deles, (...)foi o “Livro que há-de servir ao assentamento das cisas notáveis que assucederem na Casa Grande de Romarigães, também chamada Quinta de Nossa Senhora do Emparo. Com um epítome da origem, fundação, sítio e nobilíssima árvore de seus morgados, pelo Padre Sebastião Mendrugo, da Casa Cachada, e seu capelão. Ano da Graça de 1680". (…)"O outro manuscrito, em letra especiosamente torneada, chamava-se Vida de D. Luís António de Antas e Meneses, sargento-mor de Milícias e procurador às Cortes de 1828. Ao que se depreendia do estilo, abundante em ciência heráldica e genealógica, era obra dum linhagista do Alto Minho, tão amigo de Deus e do rei como inimigo dos malhados, o senhor Manuel Afonso, de Venade":
Para concluir, Aquilino refere que nunca pretendeu realizar um romance, mas sim uma monografia. E sai-se com uma frase que exemplifica o humor que percorre muitas das suas páginas: "Se me saiu romance, aconteceu-me a mesma coisa que a um triste e tosco carpinteiro dos meus sítios, de quem toda a gente zombava, decerto por milagre desenfadado do Espírito Santo: estava a fazer um gamelo para o cão e saiu-lhe uma viola”.




O ESCRITOR BEIRÃO


Até ao fim de uma vida intensamente vivida, Aquilino Ribeiro manteve-se ligado ao universo rural da Beira Alta, onde nasceu, cresceu e se tornou (de acordo com as suas palavras) «são e escorreito de corpo e espírito». Nem a permanência, alguns anos, em Paris nem meio século de Lisboa o afastaram das origens, homem da serra dos pés à cabeça, por dentro e por fora, «sem febre nem desejos metafísicos, como o mais néscio e regalão dos regalões». (Abóboras no Telhado.) Deixou o livro de memórias Um Escritor Confessa-Se. Todavia, a infância e a adolescência na Beira Alta revivem, com mais pitoresco e nitidez, nos romances Cinco Réis de Gente, Uma Luz ao longe e Via Sinuosa. O mesmo cenário se depara, por exemplo, nas Terras do Demo e na Estrada de Santiago, em cuja primeira edição surgiu a novela O Malhadinhas, um dos pontos mais altos da criação literária de Aquilino.
No entanto, Aquilino Ribeiro condensou muito mais elementos em que se conjugam a geografia, a história e a antropologia numa série de livros que costumo chamar «o quinteto da Beira Alta»: Os Avós dos Nossos Avós (l943); Aldeia (l946); Geografia Sentimental (l95l); Arcas Encoiradas (l953), e O Homem da Nave (l954). Aqui se depara tudo quanto define os usos e tradições dos habitantes da serra desde épocas remotas até às primeiras décadas deste século, quando se abrem estradas e se introduzem meios de transporte que vão do caminho-de-ferro até ao automóvel. Testemunho deste quotidiano era o Malhadinhas, o almocreve que se incumbira de estabelecer as comunicações entre o interior e o litoral, o campo e a cidade, levando e trazendo muitos produtos essenciais do comércio regional. (Texto do jornalista António Valdemar)


O que dele disseram alguns


“Conheci Aquilino Ribeiro, de quem me prezo de ter sido amigo e de quem continuo, cada vez mais, com o passar dos anos e as sucessivas leituras, rendido admirador." (Mário Soares)


"A força plástica e musical do mundo aquiliniano é admirável.A serra portuguesa, a aldeia patriarcal, o rebanho transumante, vivem nos seus livros como a vida flamenga e holandesa nos quadros dos grandes pintores dos Países Baixos."(Vitorino Nemésio)



“É a única personalidade literária da República que hoje podemos pôr ao par (e também em condigna oposição a) Fernando Pessoa.” (Óscar Lopes)



"É um inimigo do Regime. Dir-lhe-á mal de mim; mas não importa: é um grande escritor." (António de Oliveira Salazar)


O grande AQUILINO RIBEIRO: Escritor e homem de acção



Aquilino é a reserva natural da Língua Portuguesa. Lê-lo é perceber a dimensão dessa língua, hoje reduzida a um linguajar urbanóide de confrangedora pobreza.

Há muita gente que considera um desperdício os milhares de páginas de um bom dicionário. «Para quê tanta palavra, nós só usamos uma pequeníssima parte...». Aquilino usava quase tudo e ria-se dos que se queixavam de não o entenderem.
« Tirem umas pelas outras... No contexto acaba-se por perceber...» - teimava ele.


Para esses - e mesmo para outros que se consideram letrados - Aquilino Ribeiro é um exagerado regionalista, um provinciano que fala à moda beirã, incompreensível como os sertanejos do Brasil. Quando não se percebe e não se faz um esforço para se entender - os outros é que estão mal...
Mas leiam-se "A Casa Grande de Romarigães", "O Malhadinhas", "Andam Faunos pelos Bosques", "Terras do Demo", "Quando os Lobos Uivam" - e tantos outros, do romance à biografia, das memórias à História - e ter-se-á a certeza de que este foi um dos grandes obreiros da nossa Língua.


Colocá-lo no Panteão Nacional é lembrar a este povo, linguisticamente empobrecido por uma civilização de facilidade e comodismo, que afinal somos ricos: temos a quarta Língua mais falada do mundo e Aquilino foi um dos grandes cultores desse património colectivo.

18.9.07

O mês das uvas


(...)
"Desejamos o amor, completo e derradeiro
como o cheiro do mosto nos lagares de Setembro"
(...)
Daniel Filipe , A Invenção do Amor

16.9.07

HUMOR NA EDUCAÇÃO


O humor é um excelente condimento para os menus didáctico-pedagógicos. Sem cair na obsessão lúdica, com humor chega-se sempre mais longe...

14.9.07

ELES AÍ ESTÃO!!!




Eles aí estão, os nossos alunos! Irrequietos, saltitões, pequenitos...como passarinhos.
É preciso gostar muito deles para "aturar" uma vida docente que se tem tornado uma tortura de papéis, reuniões, burocracias. Este início de ano foi um arraso! - todos o sentem.
Mas eles aí estão. Os mais novitos com receio, encolhem-se, esperam. Alguns...porque outros parecem já vir programados para se tornarem os reis da escola. Os mais velhos são conhecidos, olham-nos de frente, estão em casa!
E nós sentimos de novo - como no primeiro ano de aulas! - a excitação do início: os cadernos novos, uma nova caneta, a velha pasta substituída por uma new look! Olhamos para os colegas como os marinheiros no içar da âncora: Ei ! Companheiros ! Dá aí uma mãozinha nessa corda!
Ranger de casco a afastar-se do cais, aí vamos nós, mais uma viagem...
Cheira a maresia. o vento sopra. Os passarinhos agitam-se na verga dos mastros...


Miguel Torga no seu DIÁRIO, em 1963:

Chilreio de crianças numa escola.
Brincam no intervalo.
Largam da mão
O Pássaro da Ilusão,
E vão depois, felizes, agarrá-lo.

O mestre aquece os pés ao sol do inverno.
Já foi também menino...
Mas cresceu,
Aprendeu,
E descobriu as manhas do destino...

Sabe que ele nos engana,
Seja qual for o oiro que nos dê.
O Pássaro da Ilusão
É uma ilusão:
Só a inocência o vê, porque não vê...

12.9.07

O CAVALINHO DA INFÂNCIA



Também faço arrumações...
Não tenho uma arca sem fundo, como o Pessoa, apenas um amontoado assustador de papéis, livralhadas, vestígios...
Os arqueólogos queixam-se de que só de longe a longe aparecem achados significativos. Quem faz arrumações tem o problema contrário: tudo tem significado, foi isso que levou à sua conservação.
Este livrinho, por exemplo. Cheguei a ter a colecção quase completa. Os anos, o uso, os filhos... reduziram-na. Restou este. O meu preferido.
Reli-o agora, com os olhos aguados de nostalgia...

11.9.07

IMAGENS DE TERNURA

Pareceu-me absolutamente necessário partilhar as imagens e o texto que encontrei neste blog. Perceberão porquê...

Bem haja, Ana Paula de Alpiarça!

RELÓGIO DE ANTIGAMENTE


( Igreja de Santo Isidoro, freguesia do concelho de Mafra. Foto (c) Méon)


Por cima da porta da galilé, um velho relógio de pedra.
Parece uma ave de asas abertas, metáfora do tempo que voa.
Nesses tempos os relógios marcavam horas sem mecanismos complicados. Uma sombra, apenas, caminhando lentamente no mostrador. O sino da torre tocava as "avé-marias" pela manhã, ao meio-dia e ao pôr-do-sol. Ritmo lento de um tempo com outra dimensão.

10.9.07

POEMAS DE MÃO EM MÃO ( I I )




No mistério do sem-fim
equilibra-se um planeta.



E, no planeta, um jardim,

e, no jardim, um canteiro;

no canteiro uma violeta,

e, sobre ela, o dia inteiro,



entre o planeta e o sem-fim,
a asa de uma borboleta

( Cecília Meireles )

Prenúncios do Outono



Aparecem as primeiras folhas de Outono.

Depois da intensidade do sol de Verão, é bom assistir ao seu apaziguamento. Parece que a Natureza se aquieta e serena...Piedade dos pobres humanos, exaustos de tanto sol...

POEMAS DE MÃO EM MÃO ( I )

( "Solidão" de Hopper )




Esta manhã encontrei o teu nome nos meus sonhos
e o teu perfume a transpirar na minha pele. E o corpo
doeu-me onde antes os teus dedos foram aves
de verão e a tua boca deixou um rasto de canções.

No abrigo da noite, soubeste ser o vento na minha
camisola; e eu despi-a para ti, a dar-te um coração
que era o resto da vida - como um peixe respira
na rede mais exausta. Nem mesmo à despedida

foram os gestos contundentes: tudo o que vem de ti
é um poema. Contudo, ao acordar, a solidão sulcara
um vale nos cobertores e o meu corpo era de novo
um trilho abandonado na paisagem. Sentei-me na cama

e repeti devagar o teu nome, o nome dos meus sonhos,
mas as sílabas caíam no fim das palavras, a dor esgota
as forças, são frios os batentes nas portas da manhã.

Maria do Rosário Pedreira

9.9.07

O PRIMEIRO LIVRO...


Novo ano lectivo, nova temporada.
E novos livros! Não já os das férias, lidos ao sol, mas os outros. Lidos no silêncio da sala de trabalho ou no quarto, antes de apagar a luz. Pequenos oásis de frescura, dunas a perder de vista, a imensidão...
Este foi-me aconselhado e veio por mão amiga. QUANDO NIETZCHE CHOROU.
Irei dando notícias desta viagem...




7.9.07

Florir das ondas




Que nenhuma estrela queime o teu perfil
Que nenhum deus se lembre do teu nome
Que nem o vento passe onde tu passas.

Para ti criarei um dia puro
Livre como o vento e repetido
Como o florir das ondas ordenadas.

Sophia de Mello Breyner Andresen

6.9.07

Não, Senhora Ministra!!!







Há dias a Ministra da Educação explicava displicentemente a tremenda taxa de desemprego dos professores como sendo a consequência lógica da baixa natalidade.
"Cada vez há menos crianças... Portanto..., paciência! Não é comigo... é um problema do país..."

Há uns anos atrás, eu tinha de ler diariamente o Diário da República. Era raro o dia em que não fosse criada mais uma universidade, mais um pólo universitário em Fornos de Algodres ou em Quadrazais de Baixo...mais um curso universitário. Cursos chamados de "lápis e papel", os mais fáceis de lançar. Como apenas se entrava nas universidades do Estado com elevadas médias, foi uma corrida às privadas. E deu-se o fenómeno dos professores universitários "ventoinha" que corriam de um lado para outro, a dar umas aulinhas e a "empochar sestércios à ganância ".

Lembro-me de comentar com colegas: « Mas o Governo não vê o resultado que isto vai ter? Daqui a alguns anos vai haver um enorme excesso de professores sem qualquer saída profissiona!"»
O problema era que os tais cursos eram criados com o engodo de que davam habilitações para a docência, e que o ensino era uma espécie de saco sem fundo onde havia lugar para todos.
Vê-se agora o resultado.
No blogue O JUMENTO li um apontamento que reforça o que escrevi.
Está
aqui.

(Boneco de Antero Valério, o genial autor do blogue Anterozoide)

3.9.07

Já tocou a sineta!!


E lá fui a correr. Agora já não era o menino de calções a entrar na sala do temido professor Dinis. Eu era o professor! - não temível, penso eu... Mas não era o único. Havia lá mais de cem! Caramba, que exagero de docências!
As piadas choveram: "Ó sôr Titular! Não tem ordens a dar à gente?"
De manguito mental no bolso lá fui respondendo: "Com muita honra! Tintular ao almoço e ao jantar!!".
Havia lá outros como eu, amigos de um bom e frugal tinto às refeições, que se juntaram de imediato à confraria. E a madame lurdes que se vá catar! - diziam eles.
Agora a heresia. Assumida! ---» EU JÁ TINHA SAUDADES DA ESCOLA! Dos colegas, das piadas, das chatices, das horas gratificantes de trabalho colectivo. Palavra!
E recordo sempre o olhar tão triste de uma colega que não conseguiu colocação, quando, há uns anos, fiz o eterno desabafo do " gaita, vai recomeçar tudo outra vez, minhas ricas férias!!"
E venham os jovens! Também tenho saudades deles! Muitas! A minha vida, a ter algum sentido, faz-se desta partilha diária com eles. Tentando transmitir-lhes a alegria de se estar vivo, olhar o sol e cumprir-se como ser humano integralmente íntegro.
Para os colegas que estão a re-começar: força, companheiros de jornada!