12.9.07

O CAVALINHO DA INFÂNCIA



Também faço arrumações...
Não tenho uma arca sem fundo, como o Pessoa, apenas um amontoado assustador de papéis, livralhadas, vestígios...
Os arqueólogos queixam-se de que só de longe a longe aparecem achados significativos. Quem faz arrumações tem o problema contrário: tudo tem significado, foi isso que levou à sua conservação.
Este livrinho, por exemplo. Cheguei a ter a colecção quase completa. Os anos, o uso, os filhos... reduziram-na. Restou este. O meu preferido.
Reli-o agora, com os olhos aguados de nostalgia...

3 comentários:

avelaneiraflorida disse...

Quantos queres????

E são únicos os meus!!!!

Méon disse...

Não tenho para a troca...
Mas adorava ver essa colecção, de novo...

Ana Patudos disse...

Que engraçado, eu também tenho a colecção toda ( ou quase toda), que passei ao meu filho mais velho, que por sua vez a passou ao airmão mais novo, sempre estimadas. O mais pequeno adora que lhe conte histórias.Temos que incentivar os nossos jovens , a amar o livro e a incentivar à leitura, pois só assim a mente se desenvolve e a inteligência idem.
abraço
Ana PAula