23.9.07

TEMPO FUTURO...




Quando morrer quero essas mãos nos meus olhos:
Quero a luz e o trigo das tuas mãos amadas
Passando uma vez mais em mim sua frescura:
Sentir a suavidade que mudou o meu destino.

Quero que vivas enquanto eu, dormindo, te espero,
quero que os teus ouvidos fiquem ouvindo o vento,
que cheires o aroma do mar que amamos ambos
e fiques pisando a areia que pisamos.

Quero que tudo o que eu amo fique vivo,
e a ti amei e cantei sobre todas as coisas,
por isso fica tu florescendo, florida,

para que alcances tudo o que este amor te ordena,
para que esta sombra corra o teu cabelo,
para que assim conheçam a razão do meu canto.
Pablo Neruda

3 comentários:

avelaneiraflorida disse...

Méon, MEU AMIGO!!!!

Depois de acabar de ler "coisas" que nos dispõem mal com a vida...

QUE BOM CHEGAR...e LER ESYAS PALAVRAS LINDISSIMAS!!!
Esqueçe-se tudo o resto e mergulhamos no mundo de Neruda...até ao mais porofundo de nós!!!!

"BRIGADOS", "Brigados", mesmo! A minha noite vai com a poesia...

UMA BOA NOITE, TAMBÉM PARA TI!

Ad astra disse...

Meon, companheiro Balança como eu, muito gosto deste poema de neruda, um dos meus favoritos.

Gostei mesmo

Méon disse...

Se não fosse a poesia, como é que convivíamos com a gentalha do ME?
Obrigado pela vossa visita.