9.11.08

Mundos paralelos



Estive lá! Subi do Terreiro do Paço até ao Marquês! Vi!
No Telejornal da noite, na RTP, a Ministra: também a vi, a responder, convicta, às questões pertinentes do jornalista.
Tento despir-me de preconceitos e olhar para ela como alguém que está a tentar fazer o melhor que pode e sabe. Tento percebê-la, sei que é errado diabolizá-la, prescruto o que vai dentro da mente dela.




E uma evidência se impõe: entre ela e os mais de cem mil que estiveram na rua há uma parede intransponível. Não vivemos no mesmo mundo! A realidade que ela vê não é a mesma que nós vemos. Por isso este diálogo de surdos.
Ela fala em dois papéis que é necessário preencher - apenas dois papéis, senhor jornalista!
Os professores falam em horas de intermináveis reuniões, em resmas de papel.
Este é o grande, - O GRANDE problema ! - de quem nos governa: eles vivem fechados nos gabinetes, só falam com dossiês preparados por assessores carreiristas e quando descem ao povoado vêm blindados de cerimónias protocolares.
Eles não fazem a mínima ideia de como vivemos, do que fazemos, do que pensamos. E pensam que governam!




Quero acreditar nas boas intenções deles mas esbarro nesta verificação: pusemo-los lá em cima com o nosso voto e eles convenceram-se de que são imprescindíveis à marcha da História. E verifico mais: só alguns estão bem intencionados. A maioria entrincheirou-se nessa gaiola dourada do PODER ADMINISTRATIVO e tornou-se objectivamente cúmplice dos que têm o PODER REAL do dinheiro, o verdadeiro PODER POLÍTICO. E logo que podem passam de um para o outro.




O caso do BPN aí está, de fulgurante clareza. Os barões do Cavaquismo! O que eles diziam que eram e o que eles são! ("Pai, sou Ministro!" - gritava ao telefone o Dias Loureiro, que agora é Conselheiro de Estado e um dos grandes do BPN! ). O padrinho deles é, agora, o nosso Presidente! Calado que nem um rato, com medo que o soba da Madeira fale alto do muito que sabe...




Tudo me faz lembrar o "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA": impressionante metáfora deste medonho mundo!
Com os olhos parados, brancos, ela falava, a Ministra. Era como se caminhasse às apalpadelas pelo corredor da sua imensa escuridão!

4 comentários:

LeniB disse...

Tanta, mas tanta burocracia...
E o maior problema é haver quem goste tanto dela...
bjs

CS disse...

Belo texto!

Méon, disse...

A propósito destes dias alguém comentava:

- Ah! A ministra tem de ir para o lixo da História, até porque é bio-desagradável...

avelaneiraflorida disse...

Méon,

E todos os tiranos têm pés de barro...
sobretudo os que se arrogam ao direito de tudo saber!!!!
O tempo fará justiça!!!
Nós não esqueceremos!

beijinho.