26.3.09

DESEJO...


Queria neste poema a cor dos teus olhos
e queria em cada verso o som da tua voz:
depois, queria que o poema tivesse a forma
do teu corpo, e que ao contar cada sílaba
os meus dedos encontrassem os teus,
fazendo a soma que acaba no amor.

Queria juntar as palavras como os corpos
se juntam, e obedecer à única sintaxe
que dá um sentido à vida; depois,
repetiria todas as palavras que juntei
até perderem o sentido, nesse confuso
murmúrio em que termina o amor.

E queria que a cor dos teus olhos e o som
da tua voz saíssem dos meus versos,
dando-me a forma do teu corpo; depois,
dir-te-ia que já não é preciso contar
as sílabas, nem repetir as palavras do poema,
para saber o significado do amor.

Então dar-te-ia o poema de onde saíste,
como a caixa vazia da memória, e levar-te-ia
pela mão, contando os passos do amor.


Poema de Nuno Júdice
in O Estado dos Campos
Reprodução de quadro de
Noronha da Costa

3 comentários:

Avelaneira Florida disse...

Méon,

e como o poeta sabe..."levar-nos pela mão"!!!!!

Beijinho.

Clotilde S.(canela_e_jasmim) disse...

Só o Poeta sabe das sílabas e das métricas, Méon. Das palavras, também sabe.

Fernando Santos (Chana) disse...

Caro amigo, belo poema...Espectacular....
Um abraço