27.6.07

MISTÉRIO


ESCUTO

Escuto mas não sei
Se o que oiço é silêncio
Ou deus

Escuto sem saber que estou ouvindo
O ressoar das planícies do vazio
Ou a consciência atenta
Que nos confins do universo
Me decifra e fita.

Apenas sei que caminho como quem
É olhado amado e conhecido
E por isso em cada gesto ponho
Solenidade e risco

Sophia de Mello B. Andresen

3 comentários:

Era uma vez um Girassol disse...

A poesia de Sophia é sempre bela...
Escutar: o segredo para amar, compreender, aprender a humildade.
Um abraço

Méon disse...

Nós, humanos, estamos à escuta. Mas que sons nos chegam dos confins do universo?

Onde está Deus?
Onde estás, Deus?

Ema Pires disse...

"em cada gesto pono solenidade e risco"
É para fazer uma dissertaçao filosófica.
Maravilhoso poema.
Bjs.