17.6.07

A rua da minha infância...

Rua Luís de Camões, 42,44,46, Alpiarça.

Aqui morei - no primeiro andar - até cerca dos vinte anos. Depois só nas férias, até os meus pais venderem a casa em 1980, quando se reformaram e vieram para junto dos filhos, em Torres Vedras.

5 comentários:

Ana Patudos disse...

É pena estar com um aspecto de abandono. A D Natália faleceu. Do lado esquerdo morava o sr. "Ferrugento" que também já faleceu e a esposa está no lar da Fundação Relvas. Na casa baixinha morava um senhor que lhe chamavam "madurinho", não era?
São casa arquitectónicamente bonitas que deveriam ser restauradas, não acha?
beijos
Ana Paula
aliás a nossa Alpiarça tem imensas casas assim e muito bonitas...

Ana Patudos disse...

Também deve conhecer bem a minha rua:
RUA DO VAI UM - Rua António da Silva Barroso
um dia ainda vou escrever as memórias de infância que lá passei, que foram muito boas.
bjos
Ana Paula

JMD disse...

Obrigado pela visita.
O que diz está certo. O "Ferrugento", casado com a D. Fernanda que está no Lar e que foi Auxiliar de A.Ed. na escola primária onde andei, R. José Relvas, frente à casa do Dr. Neves.
Tinham dois filhos que não vejo há décadas: o Albano e o Duarte.
Ao lado moravam o Sr Felizardo ("Madurinho") e a mulher, Emília se não me engano. Tinham um talho na Praça, onde vendiam uns belos "enchidos" que fabricavam em casa, o que eu observava da minha varanda.
Fala-me da Rua do Vai Um. Se conheço! Mora lá uma amiga de infância, a Jerónima, cujos pais ainda são vivos e que visitei o ano passado, quando fui a Alpiarça com a minha irmã Cândida.

Meu pai trabalhou 34 anos em Alpiarça. Foi sacristão/escriturário do Cartório Paroquial; cobrador de quotas; ajudante de guarda-livros na Serração do Gameiro (o Sr. Gilberto era muito amigo dele)e na oficina do Sr. João Rabico. Chamava-se Joaquim Duarte e deixou muitas saudades naqueles com quem conviveu aí, porque era um Homem Bom!
Emociono-me sempre quando falo de Alpiarça. Todos os meses continuo a receber o jornal "Voz de Alpiarça", com o qual colaborei durante uns anos.
Um abraço e desejo de bons exames, caríssima conterrânea.

Ana Patudos disse...

Tudo o que aqui escreveu , está correcto.
A sua irmã Cândida foi minha catequista, assim como a Jerónima , minha vizinha. Do seu pai também me lembro muito bem, era uma pessoa educada, culta e muito honesta, foi pena ter partido, mas a vida é assim.
abraço e bom fim de semana
Fique bem
Ana Paula

travessa disse...

Só agora descobri esta fantástica fotografia da rua onde viveu.Já lhe deixei um comentário, mas não posso deixar de referir como estou encantada com esta descoberta.
Não sou especialmente dada a estas coisas dos blogues (tenho um apenas que partilho com os meus alunos)mas por vezes,gosto de deixar um "sinal". Sobretudo quando gosto...