9.11.09

ABRAÇO, LUÍS FILIPE RODRIGUES !



AQUEDUTO


Ficou ali à entrada da vila

ano após ano após

o século dezasseis ao longe,

e havia água.


Agora todos os dias a morrer

são dois quilómetros tristes

de tristes arcos, ó triste

criatura parada de cada lado


do rio. Feliz de quem passa

por te ver

pedra a pedra no ar pregado,


para te ver sem água a correr

à porta da tabacaria:

ó meu querido postal ilustrado.



Luís Filipe Rodrigues

Um poema que me chegou hoje, em jeito de brincadeira afectuosa.


1 comentário:

José Augusto Nozes Pires disse...

Ó Luís, ó Moedas! Escrevam sempre e partilhem sempre connosco.