6.11.09

ELA VIVE

Sofia de melo Breyner Andresen: faria hoje 90 anos!
Nasceu no Porto em 6 de Novembro de 1919, faleceu em Lisboa em 2 de Julho de 2004.
Viverá sempre nos seus poemas, nos livros de prosa, nos ensaios e traduções, nas intervenções cívicas pela dignidade da cidadania plena, vivida em liberdade .


Retrato de uma princesa desconhecida

Para que ela tivesse um pescoço tão fino
Para que os seus pulsos tivessem um quebrar de caule
Para que os seus olhos fossem tão frontais e limpos
Para que a sua espinha fosse tão direita
E ela usasse a cabeça tão erguida
Com uma tão simples claridade sobre a testa
Foram necessárias sucessivas gerações de escravos
De corpo dobrado e grossas mãos pacientes
Servindo sucessivas gerações de príncipes
Ainda um pouco toscos e grosseiros
Ávidos cruéis e fraudulentos

Foi um imenso desperdiçar de gente
Para que ela fosse aquela perfeição
Solitária exilada sem destino

Sophia de Mello Breyner Andresen


Santa Cruz Foto (C) Méon

Hora
Sinto que hoje novamente embarco
Para as grandes aventuras,
Passam no ar palavras obscuras
E o meu desejo canta --- por isso marco
Nos meus sentidos a imagem desta hora.
 
Sonoro e profundo
Aquele mundo
Que eu sonhara e perdera
Espera
O peso dos meus gestos. 

 
E dormem mil gestos nos meus dedos.
 
Desligadas dos círculos funestos
Das mentiras alheias,
Finalmente solitárias,
As minhas mãos estão cheias
De expectativa e de segredos
Como os negros arvoredos
Que baloiçam na noite murmurando.
 
Ao longe por mim oiço chamando
A voz das coisas que eu sei amar.
 
E de novo caminho para o mar.
 
                    Sophia de Mello Breyner Andresen


1 comentário:

Avelaneira Florida disse...

Méon,

em SOFIA...todos os caminhos são para o mar.

Beijinho.