9.2.10

OPINAR SOBRE "ISTO"?


Tenho-me abstido de "opinar", é verdade. É que, tal como PedroTadeu diz hoje no DN, acho que estes homens devem estar loucos. Mas como isso é contagiante, acabei por perder o juízo. E aqui estou agora com este arrazoado, quando o melhor, se calhar,  era ficar calado, de volta dos poetas e da grande música. Lá está, isto pega-se.

Começo por avisar: não sou socratista! Mas... e que fosse! Ai de quem hoje se mostra da situação! Instalou-se em Portugal uma frente de oposição como nunca se viu: todos contra o PS! Não por ideologia - até porque o PS é o primeiro a não tê-la! - mas por oportunismo político. PCP, BE, CDS, PSD, todos na mesma equipa, aos pulos e aos gritos, clamando por D. Sebastião Cavaco, para que ele monte o cavalo branco e salve a Pátria.  Vale tudo! E como vale tudo - a começar pela vergonha das quebras do segredo de justiça que acontecem todos os dias! - vemos agora uma frente de indignação que passa pelo facebook, manifs, petições, etc, e que fazem de Manuela M Guedes, Moniz e Crespo os mártires da liberdade de expressão. Ao que chegámos!

Manuela Moura Guedes? Pois... parece que o país parava deliciado com aquela forma de fazer jornalismo judicativo, agressivo, tendencioso. José Sócrates não gostava, o que para o populacho era sinal de que a senhora Guedes estava cheia de razão. Eu e muita gente que conheço achava-a má jornalista, parcial e malévola. Não raro grotesca.Mas ...era contra-poder!
Moniz? Mais um dos que fizeram da televisão privada uma cloaca de mau gosto, para agradar aos públicos mais boçalmente ignorantes. Tornou-se, também ele, um paladino da verdade informativa!

Crespo? Com aqueles debates de uma côr só, desde que os convidados alinhassem nos preconceitos dele, evidenciados em tudo em que fala, desde a Educação à Economia? Que escreveu uma crónica patética sobre uma coisa que alguém disse que outra pessoa ouviu que lhe tinham dito... E que o director do JN sensatamente se recusou a publicar? Também ele transformado em mártir da asfixia democrática!

Nunca tanta gente disse tanta coisa com tanta liberdade! Qualquer um pode dizer as barbaridades que lhe apetecer. Não há perigo.
Mesmo quando se sugere, se insinua, se acusa, se alcovita àcerca de alguém. Tudo pode ser dito impunemente. No tempo do Camilo ainda era possível responder com umas bengaladas quando o desaforo ia longe de mais. Agora nem isso.

Acho que um bom jornalista deve ser como um bom árbitro de futebol: não se deve dar por ele. Não tem que opinar, a propósito de tudo e de nada. Mas não é o que acontece em Portugal. Alguns jornalistas, com o poder desmesurado que lhes é dado pela utilização dos media, tornam-se as vedetas, são eles próprios notícia. Logo aproveitados pelos políticos que não têm, nem de longe, o mesmo acesso aos meios de comunicação.
A uns interessa vender papel, aos outros a chicana política.
Quem pode governar uma freguesia destas?

Pergunto: goste-se ou não dele - caso Sócrates caia,  há por aí alguém à vista que lhe suceda com vantagem para o país? Estamos a ver Jerónimo de Sousa Primeiro-Ministro? Ou Louçã? Ou Manuela Ferreira Leite? Ou Aguiar Branco? Ou Passos Coelho? Ou o Rangel da claustrofobia?
Tenham paciência!

Calo-me já! Volto aos meus ricos poetas!

2 comentários:

.Lis disse...

Também prefiro-te nos poemas rs
mas é bom dar um esculacho de vez em quando,dizer o que incomoda,"soltar os cachorros" .
Gostei apesar de nao ser íntima dessa "malta" rs ,os nomes nao me são estranhos Cavaco,Sócrates, Manuela, prefiro nao opinar rsrs
Volte aos poetas maravilhosos de Portugal , eu amo, meu arquivo agradece!
abraços ,Méon

Anónimo disse...

Há que dar um esculacho mesmo...
mas os poetas, a música e a Natureza são o alimento da ALMA!

Olhovivo