10.2.10

SUBSCREVO INTEIRAMENTE

Sim, este texto que li no JUGULAR, diz tudo o que penso. É que há para aí justiceiros, sempre prontos a atribuir as mais nefandas intenções aos que com eles não concordam...


Escreve:Rogério da Costa Pereira:

Ontem recebi um comentário que é um belo resumo de tudo o que tem acontecido nos últimos dias. Diz o Luis Serpa: "Uma coisa que acho curiosa: como vão aqueles que hoje defendem Sócrates justificar-se no futuro? Vai ser interessante." 

Antes de mais, eu não defendo Sócrates, defendo uma ideia (a minha) de Estado de Direito — que cada vez tem menos de ambos, de Estado e de Direito. Defendo que nenhuma escuta — nenhuma! — possa ser publicada por um qualquer pasquim. Defendo o direito à privacidade, o direito à honra e uma série de outras coisas que parecem não querer dizer muito à opinião publicada por essa blogosfera fora. Defendo o direito a inventariar a tolice, aponta-la a dedo. Defendo o meu direito à indignação perante crónicas como as do Crespo ou as do profeta do devir, perante telejornais como o de sexta. É que, pasmem, a censura pode revestir várias formas —  e algumas até são benignas e essenciais para a sustentação de um Estado de Direito (a moderação de comentários num blogue, por exemplo). Uma das formas que a censura pode assumir, esta bem maligna, ataca directamente a essência da democracia; reveste a forma do vale tudo, em molde de ralhete constante, não fundamentado, descontextualizado, intrusivo, maledicente e por vezes criminoso. É essa forma de censura que alguns apelidam liberdade de expressão.
Quanto ao comentário que deu azo a este texto: não tenho nada que me justificar no futuro, ainda que Sócrates venha a ser acusado e condenado por todos os males do mundo. Ajo e continuarei a fazê-lo de acordo com a minha consciência. Não faço uma defesa ad hominem. Mais importante ainda: espero bem que em circunstância nenhuma a minha actuação presente venha a ser escrutinada no futuro, obrigando-me a dar justificações.

2 comentários:

Anónimo disse...

Na verdade são inaceitáveis os atentados contra um Estado de Direito, mas será que o Portugal contemporâneo é um Estado de Direito?
Também a fevolução do 25 de Abril foi um gravíssimo atentado, militar e armado, contra um Estado de Direito, se nos quisermos deixar enredar nesta retórica de pacotilha que é a manipulação semântica usada pelos juristas.

Méon, disse...

Este ilustre anónimo põe a hipótese de que o "o Portugal contemporâneo" é igual ao Estado Novo apeado pelo 25 de Abril.
Está no seu direito.
Como estaria se pusesse a hipótese de uma galinha ser um mamífero.