2.9.10

AZÁFAMA

Levar caixas de legumes de um lado para o outro, alombar com sacos de batatas, cirandar carros de mão em roda-viva, escrevinhar recibos à pressa: fervilha o mercado abastecedor de Torres Vedras, à noite, com Castelo ao fundo.
Respira-se aqui o ar do velho comércio de antigamente. Como é que estes homens de camisas suadas e estas mulheres de mãos gretadas podem ser pacificamente transferidos para o cromado e asséptico novo mercado municipal?

Com tantos adjectivos, aqui pouco se diz da genuina actividade destes sábios do abastecimento. Podem andar em carrinhas toyotas e mitzubiches, fordes e citroénes, mas é por obrigação do tempo. Nas mãos e nos dizeres ainda trazem o antiquíssimo manejar de cavalos e burros. Preferem talvez a chuva e o frio em Fevereiro, o sol e o calor deste Verão escaldado. Desconfiam do sofisticado comércio que lhes impõem de fora.
E eu pergunto: que foi feito pelos poderes instituídos para os ajudar a mudar? Para os convencer das vantagens?




E é Cesário Verde que regressa:

Povo! No pano cru rasgado das camisas
Uma bandeira penso que transluz!
Com ela sofres, bebes, agonizas:
Listrões de vinho lançam-lhe divisas,
 E os suspensórios traçam-lhe uma cruz!

2 comentários:

Andradarte disse...

Até ver...parece não haver vantagens..
Abraço

Avelaneira Florida disse...

Méon,

um intenso formigueiro humano, é verdade!
Ainda acreditando na terra. Ainda trabalhando para o sustento dos demais e para a sua subsistência, como nos tempos antigos.
Pode haver alguma modernização...no entanto, convém não esquecer que " A CIDADE É UMA ILHA DE ABUNDÂNCIA ARTIFICIAL"!
Essa verdade é indiscutível.