17.9.10

Cântico Negro de José Régio (interpretado por João Villaret)

Faria anos hoje, José Régio. Nasceu em Vila do Conde em 17 de Setembro de 1901 e aí morreu em 22 de Dezembro de 1969.

A minha homenagem! Permanece, inesquecível, este grito de rebeldia feroz que é o Cântico Negro. Escrito num tempo em que Portugal era redil de imenso rebanho onde só alguns raros ousavam trilhar outros caminhos.

Que me desculpem os que não gostam do estilo histriónico de João Villaret...

2 comentários:

Avelaneira Florida disse...

Méon,

quanto ao estilo de J.V...teve o seu mérito, na sua época!!!! E contribuiu para que se ouvisse poesia...

Mas já hoje "ouvi" uma "versão" da PROCISSÃO que é, no mínimo, hilariante!!!! Convenhamos...sinais dos tempos!!!! ehehehe

Beijinho.

Rui disse...

Caro Méon,

Gosto muito deste poema, sempre gostei muito dele. Obrigado por mo recordares.
É um poema de excesso, é certo, mas inspirador. Eu conheço outra versão, também forte, também em crescendo, do Paulo Gracindo, mas com um tom talvez menos frágil - aqui deixo o respectivo link, caso tenhas curiosidade:

http://www.youtube.com/watch?v=LkYkp3ZsmJQ

Um abraço cheio de amizade