22.1.11

IMAGENS DO MEU OLHAR - ERMIDA DO SENHOR DO CALVÁRIO




Uma tarde destas fui até lá com o Luís Filipe, a tirar fotografias na nova máquina. Campos e casario, neblina e colinas verdes, igreja e solar de quinta. Lá no cimo a Ermida e algumas mulheres de olhos baços e preces tristes.

Dias depois, no rescaldo, ele enviou-me um poema e eu respondi com uma réplica.
Não se vai impunemente ao Senhor do Calvário.

                                                                        +

O SENHOR DO CALVÁRIO EM MATACÃES


Memento, homo - são gente suplicante
quase um simples sopro indo - quia pulvis es.
Haja uma luz iluminando o corpo jejuado
e mais silêncio na quaresma em cada um
para a ondulação bater forte nos olhos
atraídos por aquelas fragas, ó força do tempo!

Por aí adiante em procissão assim seja
caminhantes no meio do verde e muita cruz
em três de maio per omnia saecula saeculorum
até ao cimo onde um homem pergunta quem é Deus?
Deus é assim, quem quer que seja ouve
onde quer que se esteja, coisa nossa.

Chegados ao santuário só louvor
sit nomen Domini benedictum. Louvor e luz
olhando a Senhora da Oliveira e o Juncal
com o casario deslizando na encosta
ainda a Fórnea e a Portucheira a um passo
vai a pequena cristandade em rogos jungida:

kyrie eleison kyrie eleison kyrie eleison.

Luís Filipe Rodrigues

                                          *


PRECES  NEBLINAS


Alongo os olhos e a neblina paira
na dobra da colina
Ermida de cal 
e sino de chamar
altar de devoção desesperada
no cimo da procura

Mulheres de aflição e prece
em xailes de mortalha
com cheiro a velas e azulejo antigo
murmuram contas de rosário
por almas de outros tempos

Há quantos séculos vai morrendo
ali dependurado
o senhor
que dizem do Calvário?

Ao fim da tarde
elas vão saindo
em xailes de silêncio
e a cal da ermida
apaga-se com as velas

Lentamente se diluem
no crepúsculo
preces      neblinas   contas de rezar

Eu

2 comentários:

Lilá(s) disse...

Gostei do poema e da réplica,mas fiquei encantada com a paisagem! e que tal organizar uma caminhada Méon? um dia virá a Primavera e apetecerá deixar a lareira.
Beijinhos

Méon, disse...

Olá, Lilá(s)!
Já respondi no teu "jacarandá" mas repito: estas colinas, estes trilhos, estão à espera de quem os percorra.
Cá vos espero, um dia destes. Vamos combinar?

Bjeignize