12.5.08

ESPERA

Estava à tua espera
desde o começo do mundo
no sentido da água dos indícios do fogo


pousaste o olhar
na luz que tardava
e em redor a neve ardeu


havia uma casa
um endereço uma magnólia incendiada
e nada alterou o itinerário das aves


estava à tua espera
desde o começo do mundo
na despedida dos anjos
no rumor matinal de Abril


com parcimónia escrevo
num talento breve e ao abrigo da noite
as razões desta areia iluminada.

Poema: Fernando Jorge Fabião, in "Nascente da Sede"
Foto: (C) Mariah, Olhares.com

8 comentários:

LeniB disse...

Não conhecia este poeta.
Fico-te grata, mais uma vez!
bjs e boa semana

avelaneiraflorida disse...

Méon,

Lindissimo poema do Fabião...
Brigados pela partilha!!!!!

Azul disse...

mais um texto magnífico, de quem, de forma imperdível conhece a poesia como ninguém. Obrigada pela visita, sempre bem vinda e aguardada!

novo blog recente, no qual terei uma modesta participação. Visite-nos e dê-nos a sua opinião.

www.bodega-bay.blogspot.com

Boa semana para si. Um abraço. Até breve. Azul.

1/4 de Fada disse...

Um poema lindíssimo. Não conheço o autor, mas vou investigar. Obrigada e boa semana.

Méon disse...

Aos meus visitantes:

Fernando Jorge Fabião é natural de Torres Vedras e vive em Mafra. Brevemente darei conta mais completa deste belíssimo poeta. Foi para ele a primeira página LUGAR ONDE,em 2002.
Obrigado pela vossa visita.

jasmimdomeuquintal disse...

magnífico!

jasmimdomeuquintal disse...

magnífico!

biabisa disse...

Como eu conheço tão bem o Jorge! Em tempos alimentei a ideia de poder, um dia, ser amiga dele. Não fui e não passo de uma sua conhecida. Mas fui muito amiga da mãe.