24.12.09



a fava

espero que me calhe aquela fava
que é costume meter no bolo-rei:
quer dizer que o comi, que o partilhei
no natal com quem mais o partilhava

numa ordem das coisas cuja lei
de afectos e memória em nós se grava
nalgum lugar da alma e que destrava
tanta coisa sumida que, bem sei,

pela sua presença cristaliza
saudade e alegria em sons e brilhos,
sabores, cores, luzes, estribilhos...
e até por quem nos falta então se irisa

na mais pobre semente a intensa dança
de tempo adulto e tempo de criança.

(Vasco Graça Moura)


O meu abraço forte para os viajantes da net que por aqui vão passando, dia após dia, e que me ajudam a pensar que a AMIZADE existe, e me incentivam a partilhar palavras, músicas, pensamentos, imagens, ironias, humores diversos...

Alguns passam em silêncio, outros deixam recado, uns e outros ajudando a que esta não seja uma rua deserta.

Obrigado, Amigos meus! Que o vosso caminho continue paralelo ao meu! E que a BONDADE, essa forma superior de ser-se Humano, vos proteja da indiferença e da solidão.

3 comentários:

Avelaneira Florida disse...

Méon,

qual fava??????

já não há!!!! A ASAE não deixa!!!!!! ehehehe

mas reunimo-nos nos votos e...no bolo, no bacalhau, nas filhós!!!!!!

Beijinho doce!

Patudos disse...

Amigo
Passei para desejar a continuação de Boas Festas com saúde e Paz para si a a família mais chegada.
Até para o ano de 2010 e seja de menos dificuldades a todos os níveis.
bjos natalinos
A amiga
Ana Paula

Lilá(s) disse...

Como poeta gosto de Vasco Graça Moura, além de que é meu vizinho.
A amizade existe é verdade, aqui estou para o provar.
beijinhos