27.12.09

MEDIR A ETERNIDADE








No alpendre de onde se avista a infância e os canaviais
ao longo do corpo, a minha mãe dizia é bom ter um relógio
na alma
                 para medir a eternidade.



(Luís Filipe Rodrigues)

Nada de balanços de ano nem de década nem de nada. A vida flui, e eu rio dela, esse rio de que não sei a foz. O que fica, o que vai ficar, é a respiração de cada momento e algum marco miliário numa curva da memória.
Como a carta que em 28 de Dezembro de 1986 me escreveu Luís Filipe, - a braços com uma madrugada tresnoitada - e que começa com uma citação de Virgílio Ferreira (de Invocação ao Meu Corpo ):

« Há o sangue que nos deram e o ar que respiramos e uma palavra trocada acidentalmente e que já esquecemos, e os problemas que chegaram até nós para os problematizarmos de novo, para lhes darmos novas soluções, ou simplesmente para os recusarmos como problemas, e há uma doença algures na infância ou juventude e que nos deixou uma cicatriz que já nos não dói e todavia dói ainda, e há os mil encontros e desencontros e sucessos e desastres e livros que lemos ou não chegamos a ler, e há um instante de boa ou má disposição (...) mas para lá de tudo isso, no fundo sem fundo dessa mesma pessoa, há uma deliberação que escapu à nossa deliberação, uma escolha original que não "escolheu", uma decisão que só começou a sê-lo quando já o era, há o insondável da obscuridade de nós - e foi aí, definitivamente, que tudo enfim aconteceu.»

Anos passam, " em passar consistem" (Ruy Belo). E nós neles e com eles. Gravemente meditando, ironicamente olhando esse passar cada vez mais rápido, água num sumidoiro.

Só as palavras do poeta nos salvam e deslumbram...

3 comentários:

carmen disse...

"Nada de balanços de ano nem de década nem de nada. A vida flui, e eu rio dela, esse rio de que não sei a foz. O que fica, o que vai ficar, é a respiração de cada momento e algum marco miliário numa curva da memória".

Belas palavras estas tuas.
Abçs pelo blog

Avelaneira Florida disse...

Méon,

e neste fluir de tempos, sentimentos, memórias, partilhas,tudo se articula no sentir.
Disso se faz a VIDA!

Beijinho.

.Lis disse...

Concordo Méon
" só as palavras dos poetas " ... me salva e deslumbra.
E mais um ano, mais alegria ou inquietação, mais solidão ou presenças , mais e mais ,nao sei ,sei lá ... talvez o tal relógio na alma é que me consome rsrs
Um Feliz Ano Novo é tudo que desejo,
meus abrços, to indo e voltando aqui sempre que posso.
meus abraços