15.3.08

Mar português...

Senhor, a noite veio e a alma é vil.
Tanta foi a tormenta e a vontade!
Restam-nos hoje, no silêncio hostil,
O mar universal e a saudade.

Mas a chama, que a vida em nós criou,
Se ainda há vida ainda não é finda.
O frio morto em cinzas a ocultou:
A mão do vento pode erguê-la ainda.

Dá o sopro, a aragem - ou desgraça ou ânsia -
Com que a chama do esforço se remoça,
E outra vez conquistaremos a Distância -
Do mar ou outra, mas que seja nossa!

Fernando Pessoa, Mensagem, poema "Prece"

5 comentários:

avelaneiraflorida disse...

A distância pode ser aparente...isso os poetas não sabem!
sabe apenas quem vive!!!!
Mas que a vida não seja distância...isso pode ser uma prece!!!!

Méon disse...

Na mesma prece, a distância pode ser anulada.
Que não seja nosso o destino do "mar português"...

CS disse...

Com música e interpretação sublimes não me canso de ouvir este poema.

LeniB disse...

Vai à minha barraquinha...tens lá um poema para ti.

biabisa disse...

Também gosto do Pessoa, da Natália Correia e por aí a fora. Também acho que a poesia é para comer. Mas abram o apetite às pessoas para que se faça, ouça e diga poesia. No próximo dia 22 temos 12h de poesia no CCB. Que grande refeição, não acha?