2.12.07

PARA SEMPRE


No teu amor por mim há uma rua que começa
Nem árvores nem casas existiam
antes que tu tivesses palavras
e todo eu fosse um coração para elas
Invento-te e o céu azula-se sobre esta

triste condição de ter de receber
dos choupos onde cantam
os impossíveis pássaros
a nova primavera
Tocam sinos e levantam voo
todos os cuidados
Ó meu amor nem minha mãe
tinha assim um regaço
como este dia tem
E eu chego e sento-me ao lado
da primavera

Ruy Belo, Aquele Grande Rio Eufrates

3 comentários:

avelaneiraflorida disse...

Méon, Meu Amigo

Ruy Belo é um intenso SENTIR!!!
"Brigados" por este post!!!!

UM DOMINGO CHEIO DE SOL!!!!!

Ana Patudos disse...

... e aqui vim beber o que de belo têm as palavras: sentir.
abraço conterrâneo e boa semana
Ana Paula

Méon disse...

Ruy Belo é um imenso espaço a explorar. É infinito!
Obrigado pelas visitas.