10.6.08

A propósito de viagens...




L A G O


Com duas tábuas fiz
o barco onde navego
e onde sou tão feliz
que nunca chego...


Vou sonhando e cantando
tão alto
que não sei
se o mar e o céu vão bons ou vão mal...


Só quero ir
sempre andando e reparando
nas diferenças
da paisagem sempre igual...


[Foto(c) Vitor Souza
Poema: Branquinho da Fonseca, in: A Poesia da "Presença", Adolfo Casais Monteiro,
Livros Cotovia, Lisboa, 2003 ]

4 comentários:

LeniB disse...

e quanto mais olhamos para a mesma paisagem, mais descobrimos...é assim uma coisa mt parecida com a poesia de Alberto Caeiro...
bjs

avelaneiraflorida disse...

Méon,

e a prova dos olhares, dos pormenores, das descobertas...flui naturalmente!!!!
Como uma imensa e liquida estrada de água...

Méon disse...

Lenib:

É verdade: a chave está nos olhos de quem vê...

Méon disse...

Avelaneira:

...como o grande rio Tejo, não é?