3.10.10

LUZ - SILÊNCIO



SILENCIOSO, AGORA

Quero quedar-me silencioso, agora,
neste espaço inteiro onde brilham asas,
porque a terra agora tem um só sentido
e a construção se ergue e amplifica.

Quero estar calado neste fim de tarde,
neste breve rosto, nesta luz e luz,
como um beijo longo que nos lembre sempre
um súbito rumor que nos perturbe.

Quero, quero, quero estar contigo
neste só silêncio que nos vê e atrai,
nesta hora escassa em que o céu acorda
e não se morre nunca e não se morre mais.

Quero, sim, quero ficar quieto
nesta bruma ou brisa, nesta lua ou mágoa
de branda textura, em que se adivinha
este cais de espuma, de mistério e água.

João Rui de Sousa, O FOGO REPARTIDO

Foto Méon, Mosteiro de Alcobaça

1 comentário:

Avelaneira Florida disse...

MÉON,

Tempo de Outono, Tempo de POESIA!!!!

Ficar aqui neste "cais de espuma, de mistério e água"!!!!

SEMPRE!

Beijinho.