22.10.07




ELEGIA EM CHAMAS


Arde no lar o fogo antigo
do amor irreparável
e de súbito surge-me o teu rosto
entre chamas e pranto, vulnerável:


Como se os sonhos outra vez morressem
no lume da lembrança
e fosse dos teus olhos sem esperança
que as minhas lágrimas corressem.
(Carlos de Oliveira)

5 comentários:

avelaneiraflorida disse...

Linda escolha!!!!

Nascerá mais uma Pàgina Memorável!

Continuação de bom trabalho!

Méon disse...

Obrigado, Avelã. A tua presença e estímulos constantes ajudam-me a não desistir.
Que o Sol te brilhe!

Rui Caetano disse...

ESta elegia é muito bonita. As metáforas enchem-nos o ser de uma chama que nos queima de amor e paixão.

Vieira Calado disse...

Carlos de Oliveira foi neo-realista e um grande poeta.

Méon disse...

Rui Caetano:

já fui ao seu blog e deixei "recado". Obrigado pela passagem...

____________________________

Vieira Calado:

Tenho uma coisa gira a dizer-lhe mas hoje vou estar fora. Só amanhã...
Até lá, saudações.